Home BlogProcedimentos Cirúrgicos - Contorno Corporal Cirurgia Plástica e a Gravidez (Parte I)
Cirurgia Plástica e a Gravidez – Parte I

Cirurgia Plástica e a Gravidez (Parte I)

por Dra. Marcela Scarpa

Uma dúvida frequente é se a abdominoplastia interfere em uma gravidez posterior. Na plástica do abdome o cirurgião retira a pele da região inferior do abdome e aproxima os músculos afastados por uma gestação anterior. Mas, afinal, a abdominoplastia interfere numa próxima gestação? E quais os prejuízos esperados para o resultado da cirurgia estética?

A cirurgia plástica não interfere no crescimento do bebê, na evolução normal da gestação, nem tampouco na via de parto escolhida pela mãe, que não sofrem nenhuma influência pelo procedimento prévio. A pele, mesmo operada, tem uma elasticidade grande, e esta aumenta ainda mais sob o efeito dos hormônios gestacionais próprios. Caso a cirurgia tenha sido realizada a pouco tempo, é comum um desconforto na região em que os músculos foram aproximados ou na cicatriz da abdominoplastia (a elasticidade da cicatriz aumenta com o decorrer do tempo, atingindo um pico máximo de 80% quando comparada ao tecido não operado). Quanto mais tempo decorrer da cirurgia até a gravidez, menor as chances desses sintomas ocorrerem.

Cirurgia Plástica e a Gravidez – Parte I

Alguns cuidados, porém, devem ser fundamentais para recuperação da forma prévia às alterações do corpo e manutenção do resultado:

como o excesso de pele já foi retirado, as chances de estrias aumentam, e o cuidado deve ser redobrado: otimize a hidratação da pele, beba bastante água e evite banhos muito quentes
outra atenção necessária no período é o uso de proteção solar, já que alteração hormonal favorece o surgimento de manchas e escurecimento da cicatriz (esses cuidados não devem ser exclusivos das pacientes operadas, devendo ser seguidos por todas as gestantes, apenas precisam ser redobrados em um pós operatório!).
controlar o ganho de peso é uma das principais medidas (mesmo às mamães que nunca operaram antes)
maior benefício quando o intervalo de tempo entre a abdominoplastia e a gestação são superiores a um ano

Os cuidados preventivos são fundamentais, e a aproximação dos músculos da barriga (feitos na cirurgia) nem sempre se rompem com a evolução da gravidez. Porém, outros fatores como predisposição individual, fatores hormonais e genética também são importantes para o resultado final.

Assim, idealmente recomenda-se realizar a cirurgia plástica após a prole constituída ou aguardar 1 ano após a cirurgia estética para programar aumentar a família. Mas, para as mamães que não conseguiram se programar com tanta precisão, o importante (fundamental) é manter o pré natal para sua saúde e do bebê e manter seguimento com seu cirurgião plástico para orientações e diminuição do prejuízo estético (que nesse caso torna-se preocupação secundária).

VEJA TAMBÉM

Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no site, você concorda com o uso de cookies. OK