Home BlogDicas e Orientações Preparação Para Cirurgia Pode Influenciar No Tabagismo Ao Longo Prazo
PREPARAÇÃO PARA CIRURGIA PODE INFLUENCIAR NO TABAGISMO AO LONGO PRAZO

Preparação Para Cirurgia Pode Influenciar No Tabagismo Ao Longo Prazo

por Dra. Marcela Scarpa

Sempre que um paciente busca realizar algum tipo de procedimento estético, é natural que o especialista o questione sobre sua saúde em geral e aspectos da sua rotina diária como, por exemplo, o tabagismo.

O período de interrupção do tabagismo depende do porte cirúrgico e pode variar de 1 a 6 meses que o antecedem. Vale ressaltar que esse período ideal ainda é motivo de estudos e não há um consenso absoluto atual.

PREPARAÇÃO PARA CIRURGIA PODE INFLUENCIAR NO TABAGISMO AO LONGO PRAZO
490224

Cirurgia cosmética versus interrupção do tabagismo

Segundo um estudo apresentado pela Revista Médica American Society Of Plastic Surgeons, em 2017, muitos pacientes que receberam a recomendação para pararem de fumar antes de seus procedimentos estéticos abandonaram o vício ou, ao menos, diminuíram seu uso nos anos seguintes a cirurgia.

Para Aaron C. Van Slyke, um dos pesquisadores do tema pela Universidade de British Columbia, em Vancouver, os resultados mostram uma associação entre a cirurgia plástica e a diminuição do tabagismo a longo prazo:

“Os cirurgiões que solicitam a interrupção do vício para realizar a cirurgia, podem influenciar na diminuição do uso do tabaco a longo prazo.”

PREPARAÇÃO PARA CIRURGIA PODE INFLUENCIAR NO TABAGISMO AO LONGO PRAZO

O estudo acompanhou 85 pacientes fumantes que se encontravam elegíveis à cirurgia estética. Como grande parte dos cirurgiões plásticos, o pesquisador Nicholas J. Carr, exigiu que todos os seus pacientes parassem de fumar antes da cirurgia, visto que essa interrupção ajudaria na diminuição de intercorrências durante o pós operatório.

Cinco anos após a realização da cirurgia, 47 pacientes responderam a uma pesquisa de acompanhamento – desses, 5 foram excluídos do estudo, pois foram considerados tabagistas sociais. A maioria eram mulheres com idade média de 40 anos e haviam realizado abdominoplastiamastopexia ou lifting facial.

Nessa pesquisa de acompanhamento, cerca de 40% dos pacientes responderam ter diminuído o consumo de tabaco, e não fumavam como antigamente. Aproximadamente 25% dos pacientes afirmaram ter abandonado completamente o vício desde o procedimento.  A maioria deles afirmou ter reduzido o consumo de cigarros em qualquer quantidade. 70% concordaram que discutir com o cirurgião plástico sobre os riscos cirúrgicos influenciou em sua decisão de parar ou reduzir o tabagismo.

É consideravelmente positivo observar que a maioria dos pacientes diminuiu o consumo diário de cigarros:

“Isso é consistente com pesquisas feitas anteriormente, que mostram que pacientes que procuram por procedimentos estéticos estão mais motivados a manter os hábitos saudáveis provocados pela mudança do estilo de vida.” – Dr. Van Slyke.

PREPARAÇÃO PARA CIRURGIA PODE INFLUENCIAR NO TABAGISMO AO LONGO PRAZO

Os resultados sugerem que a maior motivação foi decorrente dos prejuízos cirúrgicos causados pelo cigarro, e não dos possíveis benefícios à saúde que essa interrupção poderia proporcionar. Os autores concluem:

“O diálogo entre o cirurgião plástico e o paciente durante a consulta de avaliação, é um momento único para auxiliar e dar assistência à interrupção do tabagismo. Essa decisão pode se manter mesmo após a realização da cirurgia estética.”

As consequências do tabagismo durante o pós operatório

PREPARAÇÃO PARA CIRURGIA PODE INFLUENCIAR NO TABAGISMO AO LONGO PRAZO

Apesar dos resultados obtidos na pesquisa, 50% dos pacientes admitiram não terem seguido as instruções para evitar o uso de cigarros antes da cirurgia. Quase um quarto continuou fumando até o dia do procedimento. A partir disso, os pesquisadores perceberam uma taxa maior de complicações cirúrgicas nesse pacientes (Van Slyke e colegas não realizam testes para confirmar se os pacientes realmente pararam de fumar). A taxa de complicações durante o pós operatório foi maior em pacientes que mantiveram o hábito: 24% contra 14% (A diferença não foi estatisticamente significante). Complicações mais sérias ocorreram em dois pacientes – ambos não seguiram as recomendações.

Os tabagistas contam com um risco maior de desenvolver complicações durante e após o  procedimento cirúrgico, isso inclui a recuperação e a cicatrização pós operatória.

cigarro acelera a formação de radicais livres, responsáveis pela oxidação das células – o que, por fim, resulta no envelhecimento precoce. Isso ocorre pelo prejuízo do transporte de oxigênio pelo sangue, já que as toxinas presentes  promovem danos nos vasos capilares, obstruindo a circulação sanguínea periférica.

Referência: American Society Of Plastic Surgeons. Cosmetic Surgery May Help Patients Quit Smoking. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/xa4QMX >

VEJA TAMBÉM

Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no site, você concorda com o uso de cookies. OK